Adultério Por Amor

Dossiê Geraldo Vietri

Adultério Por Amor
Direção: Geraldo Vietri
Brasil, 1978.

Por Adilson Marcelino

Selma Egrei é, sem dúvida, uma das musas mais importantes do cinema popular brasileiro. E das mais lindas. O cinema dos anos 1970 foi fenomenal para a carreira dessa atriz nascida em São Paulo, em 1949. Se a graduação foi na consagrada Escola de Arte Dramática da USP, parece que foi nas telas do cinema que a atriz se diplomou de fato – ainda sem esquecer seus trabalhos no teatro e na televisão.

Nesses mesmos anos 70, ela foi dirigida por um verdadeiro quem é quem do cinema brasileiro, e brilhou nas telas sob a batuta de feras como Fauzi Mansur, Rubem Biáfora, Walter Hugo Khouri, Cláudio Cunha, Sylvio Back, Antonio Calmon, José Miziara e John Doo.

E é dessa época seu encontro com o cineasta e novelista Geraldo Vietri, que renderia dois filmes: Adultério por Amor(1978); e o segundo na década seguinte, Sexo, Sua Única Arma (1981). Mas foi esse primeiro encontro dos dois nas telas, Adultério por Amor, o melhor momento da parceria.

Em Adultério por Amor, Selma Egrei é mais uma vez a protagonista. No filme ela é Natália, a jovem esposa de Guido, vivido por Luiz Carlos de Morais. O casal tinha tudo para ser feliz, mas o casamento está naufragando porque há três anos que espera um filho que nunca vem. A angústia fica ainda maior com a convivência com o casal de amigos formado por Jorge, Paulo Figueiredo, e Flora, Jussara Freire, que vive cercado de seus ruidosos filhos.

Guido coloca a culpa em Natália, e cada dia fica mais distante e sem paciência com a rotina do casal. Receosa de que o casamento acabe, ela faz um exame e descobre que o marido é estéril. Sem coragem de contar para ele, Natália toma o caminho mais arriscado ao conhecer um jovem em uma cidade do interior mineiro, para onde vai em companhia da amiga Flora para passar uns dias de descanso.

O jovem estudante é Gustavo, interpretado por Ewerton de Castro. Aparentemente tímido e indefeso, ele se deixa seduzir por ela, que abandona a cidade no dia seguinte. Natália consegue finalmente ficar grávida, e sua vida com Guido vira um mar de rosas. Até que, inesperadamente, Gustavo aparece, declara sua paternidade do menino que estar para nascer, e passa a chantagear Natália sem parar.

Adultério por Amor reúne mais uma vez Selma Egrei e Ewerton de Castro, que já estiveram juntos em A Noite do Desejo (1973), de Fauzi Mansur, e que voltariam a se encontrar sob a direção de Geraldo Vietri em Sexo, Sua Única Arma (1981).

Como em Sexo, Sua Única Arma, que realizaria depois, aqui Vietri mira seu foco para o quanto as famílias, sobretudo de classe média, podem esconder debaixo do tapete. O que importa é a ordem, mas um olhar mais minucioso percebe que ela é só aparente, pois por trás de tudo se alojam segredos inconfessáveis.

Vietri acerta ao mirar seu foco aí, no que está à mostra socialmente, e nas forças ocultas que regem os subterrãneos do mostrado. Esse tema está no centro da ação tanto aqui como em Sexo, Sua Única Arma, e também ainda de forma mais direta no admirável Os Imorais, em que o estado cínico e de hipocrisia da estrutura clássica familiar é colocado em cena de forma avassaladora.

Filme de interesse sempre crescente, Adultério por Amor é prova cabal do quanto Geraldo Vietri dirigia bem seus atores – não a toa sempre gostava de trabalhar com um elenco fixo. Vietri demonstra elegância na direção, nesse filme produzido por Cassiano Esteves. Para isso contou com a boa presença do elenco e também com a montagem do mestre Sylvio Renoldi e a fotografia de Antonio B. Thomé.

Como sempre fez em suas novelas na televisão, aqui Vietri também tem presença total na feitura do filme, assinando além da direção, o argumento, o roteiro e a cenografia. Destaque também para a música de Caion Gadia.

Anúncios