A Noite das Fêmeas – Ensaio Geral

Dossiê Ewerton de Castro

A Noite das Fêmeas – Ensaio Geral
Direção: Fauzi Mansur
Brasil, 1976.

Por Adilson Marcelino

Fauzi Mansur é um nome controverso. Alguns falam mal, outros falam bem. Mas no terreno de grande talento da Boca Lixo povoado por Ozualdo Candeias, José Mojica Marins, Carlos Reichenbach, Jean Garrett, Cláudio Cunha e Ody Fraga, haverá sempre um lugar para Fauzi Mansur.

Com carreira extensa – ainda há pouco dirigiu mais um longa, Casamento Brasileiro -, Fauzi Mansur é cineasta de estirpe. E se tivesse dirigido apenas A Noite do Desejo (1973) – o que não foi o caso -, já teria seu nome garantido na história da Boca.

A Noite das Fêmeas – Ensaio Geral é filme corajoso, pois aposta na inventividade e não faz muitas concessões para o público médio. É claro que estão lá as belas mulheres. E que mulheres! – Marlene França, Kate Hansen, Nádia Lippi, Maria Isabel de Lizandra, Elizabeth Hartmann. Mas o jogo lançado em cena não fica restrito apenas à belas moças e peitinhos e pernocas de fora. Muito pelo contrário.

Com argumento e roteiro de Mansur e Marcos Rey, baseado na peça Ensaio Geral, de Rey, o filme faz intrincado tabuleiro em que as peças se embaralham misturando teatro, cinema, realidade e ficção.

O ponto de partida é o tal ensaio geral de uma peça prestes a estrear e que é acompanhado pelo diretor, autor, críticos, censor, parentes e amigos do elenco. Em cena, quatro prostitutas assassinam seu gigolô à facadas e depois se regalam com vinho para comemorar o feito. O que não sabiam é que a garrafa estava cheia de arsênico diluído na bebida, e com isso cada uma sucumbe após a primeira golada. E, mais que isso, o que a plateia não sabe é que realmente havia veneno na garrafa e que elas realmente se estatelaram no chão de verdade.

Começa aí um labirinto entre cenas da peça, dos bastidores e dos dois juntos, para confusão total do atrapalhado detetive que viera investigar quem cometeu o crime.

Noite das Fêmeas – Ensaio Geral enche a tela com a direção elegante de Mansur, a câmera sinuosa e os belos enquadramentos de Cláudio Portioli. Infelizmente, os diálogos não são tão inspirados – ainda que o próprio Marcos Rey, um bam bam bam, esteja presente no roteiro. A necessidade de tirar graça subterrânea de algumas situações ou mesmo um certo nonsense delas não acompanha a bela estética do filme. Inácio Araújo, que assina a montagem de cena – Eder Mazini está nos ruídos – contou no dossiê da Zingu! de abril deste ano  que abandonou o trabalho por não aguentar a aporrinhação do diretor na mesa de montagem.

Noite das Fêmeas – Ensaio Geral já começa sedutor, com a tal cena do assassinato, quando apresenta suas beldades em vestidos coloridos e clima noturno de cabaré. Pena que essa sedução fique atravancada pelo caminho.

O elenco é estelar, prova do prestígio de Mansur: além das atrizes citadas ainda tem Antônio Fagundes, Hélio Souto, Sérgio Hingst, Dionísio Azevedo, Roberto Bolant, Francisco Cúrcio, Flora Geny, Cavagnole Neto, Walter Portela.

Ewerton de Castro marca presença como o irmão perturbado de Kate Hansen, um homem obcecado com o pedigree dos seus cães e com olhares nada inocentes para a voluptosa irmã.

Anúncios