Carta ao Leitor

Com as mudanças todas que a Zingu! começou no ano passado, inclusive com planejamento de novo layout, instituição do Conselho Fiscal, e novo editor, a edição de aniversário de quatro anos que seria em outubro acabou adiada. Mas não tem problema não, pois está ela aí, e homenageando um dos cineastas mais queridos da Boca do Lixo: Alfredo Sternheim.

Nesses quatro anos, a Zingu! agregou redatores e colaboradores de várias partes do país, primeiro sob o comando de edição de seus fundadores, Matheus Trunk e Gabriel Carneiro, respectivamente, passando depois para esse escriba – essa é a segunda edição que assino. Absolutamente todos trabalham na Zingu! por pura dedicação e amor ao cinema brasileiro, seja equipe fixa ou colaboradores, já que não rola nenhuma grana por aqui. Mas isso não impediu que a Zingu! conquistasse seu lugar ao sol, sobretudo como importante veículo de resgate e registro histórico do cinema popular – e no final do ano passado tivemos a honra e a alegria de receber o Prêmio IBAC 2010 – Categoria Cinema. Ou onde mais o leitor encontraria dossiês de nomes como Conrado Sanchez, Carlos Imperial, Costinha, Sady Baby, Julius Belvedere, Canarinho, José Mojica Marins, Reynaldo Paes de Barros, Geny Prado, Claudio Cunha, André Luiz Oliveira, João Silvério Trevisan, João Callegaro, Carlos Reichenbach, José Miziara, e mais a Vera Cruz, os realizadores do Cinema de Bordas, e inúmeras musas da Boca? Isso sem falar em artigos e colunas especialmente idealizados para a Zingu! e capitaneados por uma turma da pesada.

Nesta edição 42, que comemora os quatro anos da nossa zinguzinha, o nome escolhido para o dossiê é unanimidade entre muitas gentes do cinema brasileiro. Retidão de caráter, generosidade, cineasta talentoso, amigo fiel, honesto e amoroso foram alguns dos atributos que nossos convidados atribuíram a Alfredo Sternheim em seus depoimentos. A Zingu! ouviu pessoas de diferentes áreas do cinema nacional que marcaram ou foram marcados pela trajetória de cinema e de vida de Sternheim, e todos eles não pestanejaram e nem economizaram nos adjetivos. Muitas vezes, depoimentos de homenagem ficam com cara de chapa branca, pois muita gente se resguarda na hora de deixar registrados seus depoimentos. Só que aqui, a constância de atributos como os elencados foram tão presentes, que não resta dúvidas do quanto Alfredo Sternheim é respeitado e amado por essas pessoas notáveis.

A crítica tradicional nem sempre reservou espaço justo para Alfredo Sternheim e seu cinema, mas, infelizmente, isso não é novidade quando o assunto é cinema popular. No entanto, a possibilidade de resgatar e assistir filmes pela internet, a proliferação de blogs sobre cinema, e também o acesso a cinemateca fabulosa chamada Canal Brasil vêm possibilitando que um novo público, além de pesquisadores e amantes apaixonados do cinema brasileiro, possa conhecer, ler ou mesmo rever filmografias inteiras que, até então, estavam soterradas pelo tempo.

A Zingu! tem a maior admiração e respeito total pelo Alfredo Sternheim cineasta e pessoa. E aqui, na nossa edição de aniversário, nós preparamos um amplo resgate de sua obra. Além dos depoimentos, tem longa entrevista com o cineasta, que repassa a sua trajetória; perfil; resenhas-críticas de quase todos os seus longas – de um total de 26, só ficaram de fora por impossibilidade de acesso às cópias o episódio Gatas no Cio, do longa Sacanagem (1981), e As Prostitutas do Dr. Alberto (1981); e uma edição especial da coluna Inventário Grandes Musas da Boca com Vera Fischer, a estrela do filme Anjo Loiro (1973), um dos melhores do cineasta.

E, como não podia deixar de faltar, esta edição de aniversário traz também as colunas tradicionais – Cinema Extremo, Reflexos em Película, Musas Eternas, Musas do Diniz, Inventário Grandes Musas da Boca -, mais as recém-inauguradas O Que é Cinema Brasileiro?, Nossa Canção e Filme-Farol.

Boa leitura!

Adilson Marcelino
Editor-Chefe da Zingu!

Anúncios