Carta ao Leitor

Zingu! - Prêmio IBAC 2010

2010 foi um ano importantíssimo para a nossa Zingu!

O momento máximo está ilustrado na foto acima do prêmio IBAC 2010, que a Zingu! recebeu na categoria Cinema. Os concorrentes foram de peso – a Coleção Aplauso e o Coletivo Alumbramento -, mas a Zingu! trouxe o caneco para casa, enchendo de alegria todos nós. O parabéns é coletivo – editores, redatores e colaboradores de Norte a Sul que fizeram e fazem a história da revista.

Outro fator importante é a ampla reformulação iniciada pela Zingu! e que resulta no que o nosso distinto público acompanhará a partir desta edição 41:

– Foi montado um Conselho Editorial, formado por Andrea Ormond, Gabriel Carneiro, Matheus Trunk e Vlademir Lazo, que vai acompanhar o trabalho de edição da revista, sugerindo pautas e ajudando a decidir o que irá ao ar.

– Depois de um tempo com periodicidade irregular, a Zingu! volta às edições mensais.

– Além dos dossiês, especiais e as colunas tradicionais, a Zingu! engordou seu recheio, com a criação de novas colunas e espaço para artigos especiais.

– Durante um bom tempo, a Zingu! contou com o design de Anne Freitas, que gentilmente disponibilizou seu tempo e sua criatividade para deixar a revista nos trinques. Agora, a bola foi passada para Julia Morena, que está trabalhando no layout novo da Zingu!, a ser inaugurado na edição de fevereiro.

– Por fim, registro, com grande felicidade, que a partir deste número sou o novo Editor-Chefe da Zingu!, depois das notáveis trajetórias na função dos amigos Matheus Trunk e Gabriel Carneiro – fundadores da revista e que permanecem como redatores e membros do Conselho.

A primeira vez que participei da Zingu! foi como colaborador em 2008, passando em 2009 para a função de redator e contribuindo com textos para os diferentes conteúdos da Zingu! – dossiês e especiais, além da coluna Inventário Grandes Musas da Boca. Agora, como Editor-Chefe, sei que minha responsabilidade aumenta, mas o amor e a dedicação são os mesmos. Prometo fazer o melhor possível para a nossa Zingu!

Apresentamos a edição 41 que, como dito, permanece com os espaços tradicionais e traz novidades.

O cineasta José Miziara é o dossiê do mês. Notável nome da Boca do Lixo, Miziara é sinônimo de cinema popular de grande aceitação do público, com filmes amados como O Bem Dotado – O Homem de Itu, Embalos Alucinantes – A Troca de Casais, e Pecado Horizontal. Nesse Dossiê, comentamos a filmografia do cineasta desde a estreia com o episódio O Furo, do longa Ninguém Segura Essas Mulheres, até a fase de sexo explícito – dos 17 filmes só ficaram de fora a comédia em episódios Como Faturar a Mulher do Próximo (1981), Mulher… Sexo Veneno, e Deliciosas Sacanagens (1985). Fazem parte ainda do dossiê longa entrevista com o cineasta, que repassa toda a sua trajetória com falas polêmicas sobre alguns personagens da Boca, e também edição consonante da coluna Inventário Grandes Musas da Boca, que homenageia Márcia Maria, uma de suas atrizes preferidas e protagonistas de dois de seus filmes – As Intimidades de Analu e Fernanda (1980) e As Amantes de Um Homem Proibido (1982).

Ainda nesta edição, temos três colunas novas:

– Nossa Canção – redatores da revista e convidados especiais vão destacar a música nos nossos filmes, seja por uma canção, uma trilha ou mesmo a participação em cena de cantores e compositores em nossos filmes. Na coluna inaugural, Matheus Trunk saúda o sambista Germano Mathias.

– Filme-Farol – redatores da revista e convidados especiais falarão daqueles filmes que foram faróis em suas vidas. O Filme-Farol aqui é entendido não como marco na história do cinema, mas como filme do coração. Sérgio Andrade abre a série com Osso, Amor e Papagaios, de Carlos Alberto de Souza Barros.

– O Que É Cinema Brasileiro? – aqui, pesquisadores e críticos convidados vão responder essa pergunta, que tanto quiproquó costuma gerar nas discussões e que nos ajudará a lançar luzes sobre o tema. O primeiro convidado é o pesquisador Antonio Leão da Silva Neto, autor dos obrigatórios Dicionários de Longas, Curtas e Médias, e de Astros e Estrelas do Cinema Brasileiro.

No Artigo, abrimos espaço para nossos hermanos argentinos. Nosso colaborador Alejandro Sainz de Vicuña, do Rio de Janeiro, apresenta um texto comparativo de fôlego entre o filme argentino Nove Rainhas, de Fabián Bielinsky, e seu remake americano 171, de Gregory Jacobs.

E há, claro, as colunas tradicionais Cinema Extremo, Subgêneros Obscuros, Reflexos em Película, Musas Eternas e Musas do Diniz, que nesta edição nos traz NEKROMANTIK 2, de Jorg Buttgereit, o Mondo de Prosperi & Jacopetti, o terreno controverso das citações em Referência nem Sempre é Reverência, e a beleza das musas Helena Ramos e Luciana Vendramini.

Tenham todos uma ótima leitura!

Adilson Marcelino
Editor-Chefe da Zingu!

Anúncios